Imprimir esta página

Serviço de Gestão Técnico-Farmacêutica

Informação Geral

Direção

Diretor: Maria da Piedade Domingos Braz Ferreira

Administrador Hospitalar: Rute Pais dos Reis

Secretariado: Luciana Chaves Saldanha e Luís Miguel Pedro Simão

 

Contactos

Tel.:
217 805 072

Email:
Luciana Saldanha -  Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Luís Simão -  Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

 

Localização 

Recursos Humanos

Categoria

Número

Farmacêuticos

61

Técnicos de Diagnóstico e Terapêutica

42

Assistentes Operacionais

29

Assistentes Técnicos

13

História do Serviço

O Serviço Farmacêutico é um dos Serviços de Apoio Clínico do CHLN.

 É um departamento com autonomia técnico científico, cuja direção é obrigatoriamente assegurada por um Farmacêutico Hospitalar e que depende funcional e hierarquicamente do Conselho de Administração. Com a prática centralizada no doente, é uma importante estrutura técnica que proporciona suporte ao tratamento farmacoterapêutico no processo assistencial dos utentes atendidos no hospital, em regime de internamento ou de ambulatório, adicionando valor mediante a sua contribuição para a melhoria da qualidade (efetividade e segurança) e da eficiência do uso do medicamento.

Desde 2010, o Serviço encontra-se certificado de acordo com a norma ISO 9001.

 

Atividade Assistencial

O Serviço Farmacêutico é um órgão de abrangência assistencial, técnico-científica, onde se desenvolvem atividades ligadas à seleção, aquisição, armazenamento, produção, controlo de qualidade, informação e distribuição de medicamentos. Todo o circuito do medicamento está assim na dependência direta da atuação do Serviço Farmacêutico, tendo este um papel fulcral na garantia da qualidade da sua utilização no hospital. 

Este papel inicia-se no garante da aquisição dos medicamentos indispensáveis à satisfação das necessidades dos nossos doentes, seguidos em regime de internamento ou em ambulatório e inclusivamente de alguns doentes externos, de acordo com a legislação em vigor. 

Caso estes medicamentos não se encontrem disponíveis no mercado, como acontece com algum relevo na área da Pediatria, ou necessitem de adequação da dose disponível à necessidade individual de cada doente, é na área de Farmacotecnia que é realizada essa produção.

Na distribuição dos medicamentos aos Serviços Clínicos ou ao doente em regime de ambulatório, o contributo do Farmacêutico na validação das prescrições (análise da adequação da medicação face ao diagnóstico e à política do uso do medicamento em vigor no CHLN, dose prescrita, formulação, interações medicamentosas…) e na informação ao doente ou aos outros profissionais, constitui-se como um elemento fundamental na equipa multidisciplinar de saúde, dando o seu contributo diário para a melhoria da qualidade e segurança da atividade assistencial da instituição. Neste contexto, de referir ainda a importante atividade de doseamento de níveis séricos de fármacos de margem terapêutica estreita, permitindo sugerir aos clínicos a dose mais adequada a cada doente, em cada momento, maximizando a eficácia e reduzindo os riscos associados a este tipo de medicação.

De destacar igualmente o grande envolvimento da Farmácia Hospitalar na área dos ensaios clínicos, como elemento integrante da equipa de investigação, desde a participação na eventual randomização dos doentes, passando pelo armazenamento obrigatório dos medicamentos investigacionais, gestão adequada do seu stock, garantia das condições rigorosas de acondicionamento, preparação destas formulações, quando aplicável, de acordo com os protocolos instituídos pelo promotor, fornecimento ao doente e acompanhamento do mesmo pelos Farmacêuticos envolvidos em cada ensaio.

 Outra área importante da sua atividade é a participação dos Farmacêuticos nas várias Comissões Técnicas e Grupos de Trabalho multidisciplinares, que definem e monitorizam a política de utilização de fármacos no hospital, colaborando assim no delinear de estratégias que permitam, em cada caso, selecionar a melhor terapêutica disponível na relação benefício/custo, de forma a permitir o tratamento do maior número de doentes e contribuir para a sustentabilidade do SNS.

Através da Direção de Serviço, estamos ainda representados na Comissão Nacional de Farmácia e Terapêutica e na Comissão de Avaliação de Tecnologias de Saúde (CATS), órgãos consultivos do INFARMED e no Conselho Científico do Programa de Prevenção e Controlo da Infeção e das Resistências aos Antimicrobianos (PPCIRA) da Direção Geral de Saúde.

Atividade Formativa

O Serviço Farmacêutico do CHLN contribui anualmente para a formação de Farmacêuticos e Técnicos de Diagnóstico e Terapêutica, proporcionando estágios de pré e pós graduação a alunos de Universidades públicas e privadas.

 Vários Farmacêuticos do Serviço colaboram na formação dos alunos inscritos nas disciplinas de Prática Terapêutica Clínica I e II, do 4º e 5º anos do Curso de Ciências Farmacêuticas da Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa, como tutores dos diversos módulos que as constituem, em articulação com os tutores médicos de cada área. 

O Serviço Farmacêutico do CHLN participa ainda na formação de colegas de outras instituições em áreas muito específicas da Farmácia Hospitalar, com particular destaque na preparação de Nutrição Parentérica e de Citotóxicos e Doseamento de Níveis Séricos de Fármacos.

 

Atividade Investigacional

Desenvolvimento de novas formulações: 

  • rockets de lidocaína (tratamento da proctalgia);
  • pastilhas de nistatina e lidocaína; pastilhas de nistatina e lidocaína isentas de sacarose (tratamento da mucosite oral); 
  • solução oral de citrato de potássio 20% isenta de sacarose para doentes em dieta cetogénica;
  • misoprostol vaginal – desenvolvimento de uma formulação de libertação prolongada.

 

Elaboração de ensaios de estabilidade físico-química e microbiológica, bem como ensaios farmacotécnicos (texturometria, determinação de pH, ensaio de desagregação e dissolução em saliva artificial), avaliação de incompatibilidade física entre excipientes e substâncias activas (dsc) e eficácia microbiológica da formulação).

Nesta área de Farmacotecnia, o SGTF recebido vários prémios, como reconhecimento da procura constante de formulações mais adequadas às necessidades dos nossos doentes, em colaboração estreita com a Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa, o que nos proporcionou igualmente a publicação recente de 2 artigos, um deles numa revista internacional. 

 

Prémios mais recentes:

  1. Prémio Pegadas: Divulgar Iniciativas em Farmácia Hospitalar, Ordem dos Farmacêuticos, Fevereiro de 2017.
  2. Segundo melhor poster, Workshop Farmacologia Clínica- Hospital de Santa Maria, Suspensão oral de Azatioprina- caso clínico, Novembro de 2016.
  3. Prémio Revista Dor Bene Farmacêutica para o Melhor Artigo Científico Clínico na Área da Dor, Outubro de 2016.
  4. Prémio “Melhor Poster” da 8ª Semana Associação Portuguesa de Farmacêuticos Hospitalares 15º Simpósio Nacional, Novembro de 2015.
  5. Menção Honrosa III Reunião Científica da Sociedade Portuguesa de Farmácia Clínica e Farmacoterapia, Abril 2015.
  6. Prémio Grünenthal/ASTOR Dor, Janeiro de 2015.
  7. Bolsa de Inovação BINOV, atribuída pela Ordem dos Farmacêuticos em Dezembro de 2014 ao trabalho “ misoprostol vaginal – desenvolvimento de uma formulação de libertação prolongada”.

 

Artigos:

  1. Silva, F.C., et al., Nystatin and lidocaine pastilles for the local treatment of oral mucositis. Pharm Dev Technol, 2017. 22(2): p. 266-274.
  2. Formulação de Pastilhas Moles para o Tratamento da Mucosite Oral, Revista Dor, Janeiro 2016.