Imprimir esta página

2ª Reunião de 2017 do Conselho de Administração com Dirigentes e Chefias

No dia 5 de maio decorreu na Aula Magna da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa (FMUL), Campus de Santa Maria, a 2.ª Reunião de 2017 do Conselho de Administração com Dirigentes e Chefias do CHLN. Perante os Dirigentes e Chefias da instituição e os vogais do Conselho de Administração, o Presidente, Dr. Carlos das Neves Martins, iniciou a reunião com duas notas de agradecimento e de justa homenagem: a primeira à Prof.ª Doutora Maria do Céu Machado, que assumiu recentemente a Presidência do INFARMED, deixando o CHLN para assumir este novo desafio, embora o valioso legado que deixa, perpetua a sua ligação à instituição; a segunda ao Eng.º Durão de Carvalho, que após muitos anos de dedicação e trabalho na instituição, irá iniciar outra fase da sua vida, deixando como legado mais recente a aprovação da importante candidatura de Eficiência Energética do CHLN, que permitirá à instituição otimizar os seus gastos com energia, como também fazê-lo, de forma mais harmonizada, com as guidelines ambientais.

A reunião iniciou-se com uma análise dos resultados da atividade assistencial e de desempenho da instituição, onde o Dr. Carlos das Neves Martins sublinhou «As diversas situações de grande exigência para os profissionais», advindas de um trimestre particularmente desafiante devido a um conjunto de razões muito particulares, mas contudo, salvaguardou, «Em termos genéricos da atividade, do desempenho e dos objetivos, a instituição encontra-se melhor do que estava em 2014. Estamos melhores em termos de desempenho e de atividade assistencial». Continuando referiu que «Ainda registamos alguns ajustamentos, em termos de atividade assistencial, face às quebras de atividade que se vão fazer sentir um pouco por todo o ano e igualmente, teremos alguns ajustes necessários em termos da acessibilidade. Eis porque o balanço global é francamente positivo, com uma boa evolução em termos de doentes saídos, uma clara evolução da Cirurgia de Ambulatório e aumento da sua capacidade de resposta, considerando o crescimento e aumento de procura verificado na instituição, desde o surgimento da possibilidade de escolha para o utente e, igualmente, uma melhoria significativa nos resultados do Serviço de Urgência Central que viveram, no ano passado, um crescimento particularmente atípico, mas que serviu para constatar pontos a melhorar e brevemente, se efetivarão ajustamentos, quer a nível de infraestruturas, quer a nível de recursos humanos.» De seguida disse que «Dos 28 indicadores de avaliação e benchmarking estamos 70% em linha verde, positiva o que é sinónimo de consolidação e crescimento.»

Seguiu-se a apresentação e análise dos resultados da instituição no benchmarking regional, no qual o CHLN se destaca nos indicadores do internamento, da atividade em Cirurgia de Ambulatório e na atividade em Hospital de Dia, e nacional, em comparativo aos resultados dos hospitais universitários onde se salientou, mais uma vez, o seu bom desempenho na Cirurgia de Ambulatório, na acessibilidade em termos cirúrgicos e igualmente, num decréscimo de custo com os medicamentos. Em termos globais há a realçar o desempenho económico-financeiro do CHLN comparativamente aos anos de 2015 e 2016. A modulação que ocorreu em termos de custos e que permitiu o crescimento da instituição, em termos de proveitos, proporcionou um maior equilíbrio no resultado líquido e no EBITA trimestral. Houve, igualmente, um aumento nos recursos humanos, sendo a continuidade de um crescimento planeado inserido numa estratégia de contratação, explicou o Presidente do CHLN, acrescentando que «Existe uma preocupação crescente com determinadas carreiras que são essenciais para o funcionamento harmonioso da instituição. O absentismo (ao contrário do que se falava) aumentou, muito devido, e bem, aos direitos da família, fruto do rejuvenescimento de quadros e também dos incentivos à formação, entre outras razões.»

Nesta reunião foram ainda analisados os indicadores apresentados pelo Gabinete do Cidadão, que apresentaram uma melhoria em termos de trimestre, não obstante de um aumento de reclamações, contudo com capacidade de resposta dentro do que é considerada a média estipulada legalmente. O Ministério da Saúde encontra-se, neste momento, empenhado no desenvolvimento de uma nova plataforma de apoio à gestão das reclamações, o que será um contributo importante para a celeridade dos processos e maior transparência/eficiência nesta sensível área de governação.

Foi ainda analisado detalhadamente o Plano de Investimento e Inovação 2017/2020, sobre o qual o Dr. Carlos Neves Martins explicou que «Estão previstos 85 milhões de euros, que incluem todos os projetos aprovados e os que estão ainda a ser avaliados, tendo informado que até hoje todas as candidaturas do CHLN foram aprovadas, quer a nível tecnológico, informático, substituição de equipamentos, inovação e eficiência energética. Este valor inclui também, a requalificação que será efetuada no Parque de Saúde Pulido Valente por entidades terceiras». Esta requalificação dotará o Parque de Saúde com uma capacidade de resposta inovadora e abrangente, com um importante impacto a nível regional e até a nível nacional. Assim, será importante recordar que o património da instituição será revitalizado e revalorizado, quer com esta requalificação quer, igualmente, com a reprogramação organizacional e física que está em curso no Hospital de Santa Maria.

Foi abordado, com particular detalhe, o Plano de Eficiência Energética, um investimento de 15 milhões de euros e que permitirá à instituição uma poupança anual de cerca de 1 milhão de euros com gastos em energia. Este plano agrega em si, a implementação de um conjunto de medidas de eficiência energética e que implica a criação de uma Central Térmica, um Sistema Solar Térmico, uma gestão técnica centralizada, a substituição de iluminação, a colocação de painéis fotovoltaicos e a substituição de caixilharia.

Na globalidade, sintetizou o Presidente do CHLN, «Em termos de investimento, os 85 milhões do Plano de Investimento e Inovação dividem-se da seguinte forma: 5 milhões são provenientes de uma candidatura efetuada para o Centro Integrado de Diagnóstico e Terapêutica (CIDT), 15 milhões são do apoio à Eficiência Energética, 30 milhões de euros serão provenientes de Fundos Europeus e de outras instituições e serão investidos só cerca de 30 milhões pela instituição. Cerca de 65% do investimento está neste momento assegurado». Na sua alocução, o Dr. Carlos Neves Martins relevou ainda mais alguns dos desafios em curso, como a continuação da Política de Afiliações que tem vindo a ser consolidada e a criação dos Centros de Responsabilidade Integrada. Abordou ainda, um aspeto importante para a instituição: um novo aumento da área de influência perdida, sendo que a instituição está a trabalhar, atualmente, na capacidade de resposta futura em termos de recursos humanos, de capacidade instalada e na realização de obras de melhoria e requalificação para modular a sua capacidade de resposta aos desafios futuros, nesta matéria. Em particular, sobre a inovação, o Presidente do CHLN acrescentou «Em termos de inovação na Instituição, o CHLN continua a primar pela garantia da qualidade e da transparência da governação. Estão, em plano, um conjunto de protolocos e um conjunto de medidas a serem apresentadas até ao verão que permitirão alavancar dados em termos da matéria das Tecnologias de Informação, continuar a apostar nas afiliações e nos seus bons resultados, inaugurar o Parque de Saúde Pulido Valente (PSPV) na íntegra até ao final do ano, assim como aumentar as candidaturas a fundos comunitários. Em termos de Centros de Responsabilidade Integrada (CRIs) existe uma estratégia assumida e as duas propostas são inovadoras e simultâneas – o Centro de Responsabilidade Integrada de Pediatria e o Centro de Responsabilidade Integrada de Coração e Vasos, envolvendo dois Departamentos diferentes, mas que se complementam, no conjunto. Depois temos dois CRIs que une alguns serviços em complementaridade, o CIDT e o CRI da Cirurgia de Ambulatório, pela sua transversalidade». «Até ao fim do ano» afirmou «o CHLN terá três ou quatro CRIs, que serão inovadores a nível nacional, porque não se limitam a um ou dois Serviços, mas a Departamentos em toda a sua amplitude, que farão convergência de vários Serviços».

Encerrou a sua apresentação, refletindo com os presentes sobre a inovação e sobre igualmente o peso da tradição. «Sabemos claramente para onde vamos e por onde vamos. Mas se queremos algo que não temos, teremos que fazer algo que não fizemos. Todos os dias temos que escrever um novo capítulo da nossa rica história, devidamente assente nos pilares da tradição que nos dá a credibilidade e a confiança do utente, para que a nossa instituição seja, cada vez mais capaz de enfrentar e responder perante os desafios futuros».

Esta reunião foi encerrada e, aproveitando a presença de todos os Dirigentes e Chefias, foi feita a entrega dos Diplomas aos 31 Serviços/Setores que atingiram uma taxa de adesão à higienização das mãos de “Muito Bom”, como forma de assinalar simbolicamente, o Dia Mundial da Higiene das Mãos. De realçar que o CHLN ficou acima da média nacional nas auditorias efetuadas neste âmbito, o que reforça a convicção da coerência e sucesso do trabalho em curso pelo GCL-PPCIRA.

As reuniões periódicas de Dirigentes e Chefias têm sido uma prática regular deste órgão de gestão desde 2014, contribuindo para uma maior coesão institucional, um maior envolvimento nas práticas de governação, bem para a transparência na divulgação e partilha dos resultados e projetos da instituição.