Imprimir esta página

CHLN tem nova Central de Colheitas

No dia 30 de março, entrou em funcionamento, na recém-inaugurada área de ambulatório (ex-farmácia comercial), a nova Central de Colheitas do Serviço de Patologia Clínica, onde atualmente já funciona o balcão de dispensa de medicamentos do Serviço de Gestão Técnico-Farmacêutica, um espaço com excelentes condições de trabalho e de atendimento, no exterior do edifício central do Hospital de Santa Maria.

De realçar que, quer a Central de Colheitas do Serviço de Patologia Clínica, quer igualmente a dispensa de medicamentos do Serviço de Gestão Técnico-Farmacêutica, são duas áreas fundamentais dentro da prestação de cuidados ambulatórios e ambas possuem uma ampla afluência diária de doentes e acompanhantes, sendo que, na Central de Colheitas, a média diária de atendimento tem sido aproximadamente de 750 utentes. A nova Central de Colheitas disponibiliza agora aos seus utentes 11 postos de colheita, mobilados e equipados de acordo com renovados padrões de qualidade.

Este incremento na melhoria de condições de atendimento aos utentes de ambulatório reveste-se de uma importância crucial e prioritária no contexto assistencial do CHLN, na qualidade de centro hospitalar universitário e de “fim de linha”, pelo que esta nova Central de Colheitas vem contribuir para um acréscimo substancial de qualidade do atendimento, com tangíveis ganhos de saúde e uma maior satisfação dos utentes pelas condições ora proporcionadas.

Nas palavras do Prof. Doutor Melo Cristino, Diretor do Serviço de Patologia Clínica «A nova Central de Colheitas melhorará consideravelmente o atendimento dos utentes que fazem as suas análises clínicas no CHLN. É um espaço renovado, mais agradável e a acompanhar estas melhorias físicas, foi igualmente otimizada a funcionalidade do procedimento de colheitas. A curto prazo, verificar-se-á o impacto da marcação prévia das análises, também agora iniciada, permitindo uma mais homogénea distribuição dos utentes ao longo do dia e evitando a grande concentração matinal. Reitero que todos os profissionais do Serviço de Patologia Clínica permanecem empenhados na melhoria contínua dos serviços prestados aos utentes.»

«Estas alterações» explica o Dr. Luís Fonseca, Administrador de Área, «na reorganização do serviço prestado e na otimização dos procedimentos, melhoraram a qualidade dos serviços e reduziram o tempo de espera. Tem sido importante e muito satisfatório receber o feedback positivo da parte dos nossos utentes».

Os constrangimentos funcionais outrora existentes e consequentes do atendimento diário de um enorme fluxo utentes, em espaços com limitações de vária ordem, localizados no interior do edifício e numa área circulação intensa de doentes e profissionais foram, sem dúvida, um fator de “grande peso” na decisão de criação deste novo espaço. Segundo o Presidente do Conselho de Administração, Dr. Carlos das Neves Martins “o atual Conselho de Administração, quando teve a possibilidade de remodelar o espaço da ex-farmácia comercial, analisou e decidiu que a melhor solução passaria por devolver aquela área nobre ao usufruto do serviço público, aproveitando-o para instalações próprias e para beneficiar, desta forma, a qualidade e a humanização do atendimento aos utentes que diariamente recebe, sem a necessidade de circulação dentro do edifício principal”.

Assim, conforme ainda referiu o Presidente do Conselho de Administração “esta nova Central de Colheitas do Serviço de Patologia Clínica, reflete uma clara melhoria nas condições de atendimento aos utentes de ambulatório, visa a melhoria da qualidade da prestação de cuidados, o aumento da segurança e das boas práticas clínicas e a melhoria das condições de trabalho dos profissionais, inserindo-se numa linha estratégica prioritária, assumida por este órgão gestionário, no que à humanização e acessibilidade diz respeito”.

O Dr. Carlos das Neves Martins disse a terminar que “concluímos finalmente mais uma importante etapa no plano do aumento da qualidade e da melhoria da gestão do património público, antes concessionado a uma farmácia comercial privada”.