Imprimir esta página

Serviço de Imuno-Hemoterapia

Informação Geral

Direção

Diretor do Serviço: Dr. Álvaro Beleza

Técnicos-Coordenadores:

Técnica Ana Isabel Caixaria Esteves
Técnica Maria Piedade Cruz Matos
Técnica Maria Conceição Oliveira Nascimento

Enfermeiro-Chefe: Enfª Ana Paula Sebastião

Administrador Hospitalar: Dr. Luís Fonseca

 

Contactos

Polo HSM
Secretaria Serviço de Imuno-Hemoterapia: 217805184
Secretaria Hospital de Dia de Imuno-Hemoterapia: 217805360
Fax: 217805650

 

Polo HPV
Secretaria Serviço de Imuno-Hemoterapia: 217548143    
Fax: 217548215

 

E-mail

Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. 

 

Localização

Polo HSM

Piso 1 - Hospital de Dia de Imuno-Hemoterapia (junto ao elevador 1).
Piso 2 - Unidade de Colheitas de Dadores de Sangue (no átrio principal).
Piso 4 - Centro de Medicina Transfusional (junto ao elevador 11). 
Piso 4 - Centro de Trombose e Hemostase (junto ao elevador 11). 
Piso 4 - Centro de Terapia Celular (junto ao elevador 12).

 

 

Atividade e Projetos

Actividade do Serviço de Imuno-Hemoterapia

 

Actividade Clínica

O Serviço de Imuno-Hemoterapia desenvolve a sua actividade em diversas vertentes da medicina transfusional, que compreendem fundamentalmente:

  1. Situações clínicas relacionadas com as deficiências da hemoglobina no transporte de oxigénio aos tecidos, preparação e disponibilização da terapêutica transfusional aos Serviços de Acção Médica no Centro Hospitalar Lisboa Norte.
  2. Clínica das alterações da fase primária e secundária da coagulação, que ocorram de forma isolada ou em associação e prestação de cuidados multidisciplinares a doentes com coagulopatias.
  3. Clínica das hemoglobinopatias, hemocromatose e avaliação clínica dos doentes no que respeita ao controlo da terapêutica anticoagulante, terapêutica transfusional em ambulatório, tratamentos medicamentosos alternativos à transfusão, terapêutica quelante do ferro, tratamento com flebotomias terapêuticas e colheita de unidades de sangue em doentes, na modalidade de pré-depósito, para cirurgias programadas.
  4. Tecnologia Clínico-Laboratorial para a colheita, manipulação, transformação e utilização de células hematopoiéticas em Transplantação de Medula Óssea. Técnicas de plasmaférese e citaférese terapêutica.
  5. Diagnóstico laboratorial relacionado com a Imuno-Hematologia e testes pré-transfusionais para todos os doentes com indicação transfusional, quer programados quer de urgência, ininterruptamente durante as 24 horas por dia.
  6. Monitorização analítica em doentes com coagulopatias e na terapêutica anticoagulante.
  7. Promoção da dádiva benévola e colheita de sangue em dadores.

Operacionalmente, as equipas multiprofissionais de urgência do Serviço de Imuno-Hemoterapia prestam cuidados a doentes internados na Urgência Central, na Urgência de Ginecologia e Obstetrícia, na Urgência de Pediatria, nas Unidades de Cuidados Intensivos, nos Blocos Operatórios e nas enfermarias dos Serviços de Internamento, orientadas principalmente para actuação em situações de urgência e emergência.

O ambulatório do Serviço está vocacionado para a realização de consultas da especialidade, tratamentos em Hospital de Dia e obtenção de constituintes do sangue para utilização clínica.

 

Actividade Docente e Investigação

O serviço de Imuno-Hemoterapia presta formação a vários profissionais em diferentes níveis.

 

Formação Pré-Graduada

No serviço decorre o estágio clínico do 6º ano do Curso de Medicina de Lisboa, na área de Imuno-Hemoterapia.

O Serviço tem, ainda, patrocinado estágios nas diversas áreas da sua actividade às outras categorias profissionais: enfermeiros e técnicos superiores de saúde, destacando o estágio curricular do curso em Analises Clínicas e Saúde Publica, na área de Imuno-Hemoterapia.

 

Formação Pós-Graduada

No serviço decorre o Internato de Imuno-Hemoterapia do CHLN desde 1982, assim como Internatos complementares de Hematologia Clínica (6 meses) e de Patologia Clínica (2 meses).
Também tem vindo complementar o Internato de Imuno-Hemoterapia de outros hospitais, que requerem a frequência de estágios parcelares nas áreas de Hemaferese, de Criobiologia e de Coagulopatias Congénitas.

No serviço decorrem estágios profissionais dirigidos a Técnicos de Análises Clínicas e Saúde Publica.

Nos últimos 15 anos promoveu cursos multiprofissionais sobre temáticas da especialidade transversais à actividade do Hospital, de que se destacam: Segurança Transfusional, Medicina Transfusional na Prática Clínica, Hemovigilância e Hemoderivados.

 

Investigação

O serviço adoptou o compromisso de promover vários projectos no âmbito da investigação, pelo que tem desenvolvido actividades de investigação clínica relacionadas com a área da medicina transfusional, objecto de trabalhos publicados ou comunicados em reuniões científicas e colaboração na realização de ensaios clínicos e trabalhos de investigação.

 

European Patient Blood Management (PBM) Project

O Projeto “Patient Blood Management”, destinado a racionalização dos componentes sanguíneos, desenvolvido e promovido pelo Instituto de Tecnologia Austríaco com o apoio da Comissão Europeia. Consistiu na implementação de programas-piloto de PBM em 5 hospitais universitários representativos da realidade europeia, Frankfurt, Lisboa, Viena, Zagreb e Copenhaga, o Hospital de Santa Maria constituiu o representante a nível ibérico. Na nossa instituição consistiu na análise retrospetiva da prática transfusional em 3 cirurgias eletivas de risco hemorrágico major de 2014 e prospetiva de 2015 apos implementação de medidas de PBM. A implementação do PBM influiu na nossa prática transfusional com diminuição global da utilização de componentes alogénicos. A análise futura dos resultados dos restantes centros envolvidos no projeto permitirá uma avaliação global com o objetivo de identificar e mapear diferenças locais e inter-hospitalares em estratégias de PBM assim como a elaboração de Guide Lines baseadas em evidências científicas.

 

Sistema de Gestão da Qualidade

A capacidade do Serviço de Imuno-Hemoterapia do CHLN em promover a qualidade da prestação de serviços e de cuidados aos doentes, de forma orientada para a satisfação das suas expectativas de eficácia e de minimização de riscos, constitui uma prioridade central orientadora da actividade de todos os profissionais da Instituição em geral e do SIH em particular.

É convicção do Conselho de Administração do CHLN e da Direcção do Serviço de Imuno-Hemoterapia que a implementação do Sistema de Gestão da Qualidade, segundo a norma NP EN ISO 9001:2008, é fundamental para o bom desempenho das suas actividades e a promoção da qualidade dos cuidados prestados aos doentes e dos serviços prestados aos outros profissionais de saúde.

O Centro Hospitalar de Lisboa Norte, E.P.E., assumiu o comprometimento institucional de desenvolver e implementar o Sistema de Gestão da Qualidade no Serviço de Imuno-Hemoterapia, bem como o de promover a melhoria contínua da sua eficácia, ciente de que a intervenção nesta área teria reflexos muito positivos no desempenho global da instituição.

 

Política da Qualidade:

  • A satisfação das necessidades dos clientes na área assistencial mediante o desempenho de actividades, no cumprimento dos normativos legais e especificações técnicas aplicáveis e de acordo com o desenvolvimento científico e estado da arte da medicina transfusional.
  • A satisfação das necessidades e expectativas dos outros Serviços Hospitalares de Acção médica em diagnóstico e terapêutica de Imuno-Hemoterapia, mediante o seu envolvimento na melhoria contínua de qualidade em medicina transfusional.
  • O desenvolvimento e formação contínua dos colaboradores, promovendo, nomeadamente, a formação profissional pré e pós-graduação.
  • A colaboração com os fornecedores, com vista a uma relação mutuamente benéfica.
  • A implementação de mecanismos de monitorização e avaliação de desempenho e definição de acções correctivas e de melhoria visando a melhoria contínua dos serviços prestados, processos e actividades.

 

O Sistema de Gestão da Qualidade do Serviço de Imuno-Hemoterapia está implementado no seguinte âmbito:

“Prestação de Serviços de Imuno-Hemoterapia em Urgência, Internamento e Ambulatório, no Centro Hospitalar de Lisboa Norte - Hospital de Santa Maria para: Realização de Análises de Imuno-Hematologia, Irradiação e Disponibilização de Componentes Sanguíneos. Consultas de Imuno-hemoterapia. Técnicas de Plasmaférese e Citafereses Terapêuticas. Técnicas de Colheita, Processamento, Selecção e Criopreservação de Células Progenitoras Hematopoiéticas para Transplantação e Terapia Celular. Transfusões Autólogas. Transfusões de Componentes Sanguíneos, Flebotomias e outras Terapêuticas em Hospital de Dia. Avaliação Clínica e Tratamento de Doentes com Coagulopatias Congénitas.” 

Prestação de Serviços de Imuno-Hemoterapia em Urgência, Internamento e Ambulatório, no Centro Hospitalar de Lisboa Norte-Hospital Pulido Valente para: Realização de Análises de Imuno-Hematologia, Disponibilização de Componentes Sanguíneos. Consultas de Imuno-Hemoterapia, Hemostase, Anticoagulação e tratamentos em Hospital de Dia.”

Em 2008 foi implementado o sistema de gestão de qualidade segundo a EN NP ISO: 9001/2008 e em 2010 foi obtida a Certificação do serviço do Imuno-Hemoterapia do HSM com obtenção do certificado de conformidade e em 2011 a respectiva extensão da certificação ao pólo HPV com obtenção do certificado de conformidade.      

O sistema de qualidade é gerido por uma comissão coordenada pela Dr.ª Anabela Brites composta por profissionais de várias áreas e âmbitos, e tem como função proceder à avaliação da eficácia, à identificação da necessidade de recursos, ao planeamento de alterações e à definição das acções conducentes à melhoria do SGQ e da actividade do Serviço.

 

História

Hospital de Santa Maria

A atividade do então chamando Serviço de Sangue no Hospital de Santa Maria, teve inicio em 1954, sob a direção do Dr. Abel Cancella d´Abreu com as funções de colheita, tipagem, armazenagem e transfusão de sangue. Em 1958 o Dec. Lei 41.498 veio criar o Instituto Nacional do Sangue, estrutura que no futuro daria lugar ao Instituto Português do Sangue (IPS), que foi colocado inicialmente também no HSM e tendo o Dr. Cancella d´Abreu também como diretor. Em 1963 a recomendação do Conselho da Europa aos governos para promoverem a formação de especialistas em transfusão de sangue veio a dar origem em Portugal à Competência Médica em Serviços de Sangue. Em 1982 teve início o internato da especialidade de Imuno-Hemoterapia passando o serviço, agora designado por Serviço de Imuno-Hemoterapia, a formar os primeiros especialistas em Imuno-Hemoterapia do Pais. No mesmo ano a Unidade de Hemaferese iniciou a sua atividade e no ano seguinte foi criado o Laboratório de Virologia, vocacionado para a realização dos estudos laboratoriais às dádivas, não entanto este sector veio progressivamente a orientar a sua atividade também para a realização de análises a doentes. O Serviço sempre teve uma importante vertente na promoção da dádiva e em 1987, devido à carência de sangue para tratamento dos doentes, começou a realizar brigadas móveis de colheita de sangue no sul do país, no ano seguinte foram ultrapassadas as 20.000 dádivas de sangue por ano, correspondendo a cerca de 10% da atividade a nível nacional na altura. Em 1989 tiveram início as primeiras técnicas de processamento de medula óssea no Hospital de Santa Maria e no ano seguinte foi criado formalmente o Laboratório de Criopreservação. Em 1992 iniciou o procedimento de colheita de células hematopoiéticas de sangue periférico por hemaferese. Em 1998 iniciaram-se a técnicas de seleção celular para transplantação de medula óssea. No ano 2000, por deliberação do conselho de administração, seguindo as diligências estabelecidas pelo Ministério de Saúde, procedeu-se ao encerramento do sector de promoção da dádiva benévola e colheita de sangue em dadores no Hospital de Santa Maria, sendo os dadores encaminhados para o IPS e o laboratório de virologia anos mais tarde transferido para o Serviço de Patologia Clínica. No ano de 2007 inauguraram-se oficialmente as atuais instalações e após a criação do CHNL teve lugar a fusão dos serviços de Imuno-Hemoterapia do HSM e HPV. No ano 2008 implementou-se o sistema de gestão de qualidade segundo a EN NP ISO: 9001/2008 no HSM e dois anos depois, a 16 de agosto de 2010, obteve-se a Certificação pela mesma norma. Em 2012 inauguraram-se novas instalações para colheita de dadores de sangue, recuperando a vertente da promoção e colheita em dadores de sangue, atividade que tao presente tinha estado no passado. No ano de 2013 o serviço passou a disponibilizar 24h/dia testes de tromboelastometria, tecnologia que permitiu orientar as necessidades transfusionais e terapêuticas em situações de grande consumo transfusional e que teve grande impacto na redução do consumo de componentes sanguíneos. No ano 2015 o HSM participou no Projeto “Patient Blood Management” a pedido da UE, destinado a realização de guidelines e normas que visem orientar e racionalizar a utilização dos componentes sanguíneos na EU, no entanto esta era uma preocupação e pratica já antiga no Serviço. No ano 2017 o serviço finalizou o processo de centralização das Consultas de Anti-coagulação do CHLN no Serviço de Imuno-hemoterapia, que tinha iniciado dois anos atras.

 

Hospital Pulido Valente

Em quanto ao Serviço de Sangue do Hospital de Pulido Valente só em 1990 passou a ter um Médico Especialista em Imunohemoterapia, ano que foi criada a Consulta de Imunohemoterapia. Até essa data, tinha apenas um médico contratado para apoio ao Serviço e avaliação dos dadores de sangue. Em 1996 entrou para o Serviço um 2º Médico Especialista em Imunohemoterapia o que permitiu criar o Hospital de Dia de Imunohemoterapia, o qual abriu em 1997, e iniciar-se um regime de cobertura de Urgência Médica as 24h/dia. Neste mesmo ano foi criada a Comissão Transfusional do Hospital que integrava elementos de vários serviços, tendo como objetivo principal a adequada utilização do sangue, numa perspetiva de otimização clínica e gestão de recursos. Em 2003 foi criada a Consulta de Trombose e Hemostase/Anticoagulação. Eme 2006 foi admitido um 3º Médico Especialista em Imunohemoterapia, o que permitiu melhorar a atividade do Serviço, introduzir desfasamento de horário, e desenvolver a Consulta e Hospital de Dia com funcionamento regular até às 16h. No ano 2008 o serviço ficou integrado na estrutura do CHLN, deu início um período de integração, fusão e uniformização. Em 2010 foi implementado o Sistema de Gestão de Qualidade segundo a NP ISO: 9001/2008, tendo conseguido a extensão do certificado para o pólo no ano seguinte. No ano 2015, após a criação da consulta de anti-coagulação no pólo HSM, começou a transição de doentes para a mesma, tendo ficado concluída em 2017. O pólo tem sido, desde a formação do CHLN, alvo de várias reestruturações para se adaptar as estratégias e indicações do conselho em relação ao Hospital Pulido Valente.

Na atualidade, o Serviço de Imunohemoterapia do CHLN, continua centrado na prestação de serviços de excelência aos doentes e serviços, ciente dos constrangimentos orçamentais dos últimos anos e apesar das dificuldades atuais do IPST em garantir o fornecimento de componentes sanguíneos, sem deixar de lado outras áreas de atividade importantes como a formação pré e pós graduada.

 

 

O Serviço de Imuno-Hemoterapia

Unidade de Medicina Transfusional

A unidade de medicina transfusional é integrado pelo banco de sangue e pelos laboratórios de Imuno-Hematologia e testes viscoelásticos, tem como principal responsabilidade satisfazer de forma célere, segura, de acordo com as boas práticas, 24 horas por dia, componentes sanguíneos, concentrados de eritrocitos, plasma fresco congelado e plaquetas, a todos os doentes do CHLN que deles precisem, assim como realizar testes viscoelásticos a todos os doentes com indicação. Pode entrar em contacto pelo telefone 217805184 (pólo HSM) e 217548143 (pólo HPV).

 

Banco de Sangue

O banco de sangue promove o aprovisionamento do hospital em componentes sanguíneos, obtidos a partir das dádivas de sangue de dadores voluntários.

Assegura também as condições adequadas de conservação dos componentes sanguíneos, cujo armazenamento é feito de acordo com as boas práticas, bem como a sua preparação e disponibilização aos serviços de acção médica, tanto em urgência como em rotina: urgência, blocos operatórios, hospitais de dia, internamentos, … mediante solicitação do médico prescritor. Os pedidos de componentes sanguíneos de todo o hospital são processados e distribuídos pelo banco de sangue. 

Também assegura 24h por dia a irradiação de componentes sanguíneos para o centro hospitalar e outras entidades que assim precisem mediante protocolo estabelecido.

 

Laboratório de Imuno-Hematologia 

O Laboratório de Imuno-Hematologia é integrado pelo laboratório de Imuno-Hematologia e laboratório de estudos de Imuno-Hematologia. Tem como função principal efectuar os testes pré-transfusionais para todos os doentes com indicação transfusional, quer programados quer de urgência, ininterruptamente durante as 24 horas por dia e sempre que no decurso destes surjam analises positivas continua-se o estudo imuno-hematológico.

  • Realiza análises de Imuno-Hematologia solicitadas pelos serviços de internamento, consulta ou urgências tais como:
  • Grupagen sistemas AB0 e Rh,
  • Fenotipagens para sistemas Kell, Duffy, Kidd, Lewis, MNS, P, Lutheran, 
  • Estudo de anemias hemolíticas imunes,
  • Estudo de hemólise por medicamentos, 
  • Estudo de auto e alo anticorpos antiplaquetários, 
  • Estudo imuno-hematologico para auto e alotransplante com células hematopoiéticas progenitoras do sangue periférico e medula óssea,
  • Estudo imuno-hematológico das reacções transfusionais,
  • Estudo imuno-hematológico das grávidas e recém-nascidos com vista ao diagnóstico e prevenção da doença hemolítica do recém-nascido.

O Laboratório de Imuno-Hematologia tem também vindo a realizar análises para outros hospitais e entidades através do estabelecimento de protocolos.

 

Laboratório de testes viscoelásticos 

Tem como função principal efetuar testes viscoelásticos para todos os doentes com indicação, quer programados quer de urgência, ininterruptamente durante as 24 horas:

  • Estudos Tromboelastometricos da via Extrinseca, via Intrinseca, Fibrinogenio, Fibrinolise e Heparina. 
  • Estudos Tromboelastometricos da agregação plaquetária. 

Os testes de Tromboelastometria são um estudo funcional, global e dinâmico da coagulação e estão direcionados a doentes em que se prevê um grande consumo de componentes e hemoderivados, que necessitam de um diagnóstico e uma orientação terapêutica em tempo real.

 

Unidade Ambulatório de Imuno-Hemoterapia

Compreende a consulta e hospital de dia e tem como principal objectivo proporcionar terapêutica transfusional em ambulatório a doentes com eventual necessidade de suporte transfusional, que são referenciados através das consultas do hospital ou vindos do exterior, acompanhados de relatório clínico e exames laboratoriais.

Nesta unidade são proporcionados aos doentes consultas e diversos tratamentos de medicina transfusional, mediante a administração de componentes sanguíneos, a utilização de tratamentos medicamentosos alternativos à transfusão homóloga, prevenção e terapêutica da hemossiderose.

Em doentes com sobrecarga de ferro secundária à transfusão, é feita terapêutica quelante do ferro, sendo presentemente esta terapêutica orientada para o domicílio.

No setor de Flebotomias Terapêuticas seguem-se os doentes com hemocromatose e outras patologias que necessitem de tratamento com flebotomias terapêuticas.

No setor de Transfusão Autóloga são colhidas unidades de sangue em doentes, na modalidade de pré-depósito, para cirurgias programadas.

A unidade é composta por uma equipa multidisciplinar de Médicos Especialistas em Imuno-Hemoterapia e Enfermeiros treinados nas necessidades e cuidados que os doentes precisam. 

A Unidade no pólo HSM encontra-se no piso 1, junto ao elevador 20 e 21, e tem um horário de atendimento de consulta de segunda a sexta-feira de 8h a 20h. No pólo HPV tem um horário de atendimento de consulta de segunda a sexta-feira de 8h a 13h e de 14h a 16h. 

Pode entrar em contacto com o centro durante o horário de consulta para marcações e esclarecimentos pelo telefone 217805360 (pólo HSM) e 217548143 (pólo HPV).

Na consulta de anticoagulação são acompanhados doentes referenciados de outras consultas ou da urgência que precisam de uma terapêutica anticoagulante o que obriga a um controlo e uma contínua monitorização clínica. Esta terapêutica é usada como tratamento profilático e preventivo em algumas doenças como a fibrilação auricular, a doença valvular cardíaca, o tromboembolismo venoso. A consulta encontra se no pólo HSM no piso 4, junto ao elevador 11, tem um horário de atendimento de consulta das 9h as 16h de segunda a sexta-feira. Pode entrar em contacto com a consulta para marcações, apoio ou esclarecimentos pelo telefone 217805184.

Na consulta de trombofilia diagnosticam se, avaliam se e tratam se anormalidades hereditárias e adquiridas do sistema hemostático, que predispõem a fenómenos tromboembólicos, que são referenciados através das consultas do hospital ou vindos do exterior, acompanhados de relatório clínico e exames laboratoriais.

 

Unidade de Coagulopatias Congénitas

A unidade integra a Consulta e Hospital de Dia de Coagulopatias Congénitas e Hemofilia.

Têm como objetivo promover a melhoria da qualidade de vida do doente com coagulopatias hemorrágicas congénitas e sua família.

Presta assistência multidisciplinar continuada desde o diagnóstico a doentes com discrasias hemorrágicas congénitas; Hemofilia A e B, Doença de Von Willebrand e outras deficiências de fatores de coagulação (fator II, fator V, fator VII, fator X, fator XI, fator XII e fator XIII) a adultos e crianças de ambos os sexos, em articulação com outros serviços, nomeadamente, Ortopedia, Medicina Física e Reabilitação, Pediatria, Doenças Infeciosas, Hepatologia, Estomatologia, Ginecologia e Obstetrícia.

A natureza complexa destas doenças hemorrágicas requer de médicos e enfermeiros especializados, sensíveis as necessidades e cuidados que estes doentes precisam ao longo da vida. 

No serviço, os doentes têm ao seu dispor:

  • Consultas de Reavaliação Periódica 
  • Consulta de Genética de Coagulopatias Congénitas
  • Hospital de Dia de Hemofilia
  • Atendimento médico em urgência sempre que necessário
  • Apoio por telefone 24/h por dia
  • Dispensa de medicamentos para terapêutica domiciliária

O Centro de Coagulopatias encontra-se no piso 4, junto ao elevador 11, tem um horário de atendimento de consulta das 9h as 16h de segunda a sexta-feira e o horário de hospital de dia é de 8h as 16h. Pode entrar em contacto com o centro para marcações, apoio ou esclarecimentos pelo telefone 217805184. 

Reconhecido pelo Ministério da Saúde como Centro de referência na Área das coagulopatias congénitas, publicado por despacho nº6669/2017 em DR 2ª serie, nº-148 de 02/08/2017. E também referenciado no ”Global Treatment Centre Directory” da “World Federation of Haemophilia” como prestando apoio a doentes com coagulopatias congénitas em viagem pelo nosso país.

 

Unidade de Terapia Celular

A Unidade de Terapia Celular integra o sector de Técnicas Aferéticas e o Laboratório de Criobiologia e Terapia Celular. Encontra-se no piso 4, junto ao elevador 12. 

 

Sector de Técnicas Aferéticas

Foi criado em 1982 com a finalidade de realizar técnicas de hemaférese terapêuticas, como plasmaférese, leucaférese, trombocitaférese e eritrocitaférese. 

Em 1990 foi implementado o procedimento da colheita de células para transplantação de medula óssea como alternativa à colheita de medula óssea efetuada em bloco operatório, em 1997 passou a ser o método preferencial, pelo que o recurso de colheita de medula óssea em bloco operatório passou a ser apenas pontual.

Na atualidade continuam a realizar-se as técnicas de hemaférese, que podem ser efetuadas com um objetivo terapêutico ou numa perspetiva de colheita de células em dador:

  • Plasmaférese Terapêutica 
  • Leucaférese Terapêutica
  • Técnicas de Monocitaférese em doenças auto-imunes 
  • Trombocitaférese Terapêutica 
  • Colheita de Células para Transplantação de Medula Óssea 
  • Colheita de linfócitos para Terapia Celular 

Também é desenvolvida atividade clínica de consulta a doentes e dadores que são referenciados, nomeadamente para avaliação do par dador-recetor de transplantação de medula, avaliação de doentes candidatos a auto transplante.

 

Laboratório de Terapia Celular e Criobiologia 

Foi criado em 1989 com o objetivo de assegurar o apoio técnico ao Programa de Transplantação de Medula Óssea do Hospital de Santa Maria, ano em que se realizou o primeiro alotransplante. Em 1991 foi adquirido o equipamento necessário à criopreservação programada, permitindo iniciar o autotransplante com células progenitoras hematopoieticas. Em 1999 foi instalada a tecnologia necessária à seleção celular no sentido de possibilitar o alotransplante haploidêntico a doentes sem dador familiar ou de painel.

Tem a seu cargo a avaliação clínica de dadores de medula óssea, o processamento, manipulação, transformação e criopreservação de células progenitoras hematopoiéticas que constitui o apoio técnico indispensável aos programas de auto e alotransplante e transplante haploidêntico.

A técnica de seleção celular permite selecionar qualquer tipo de célula, possibilitando diferentes abordagens terapêuticas em múltiplas áreas médicas, nomeadamente em medicina regenerativa. A experiência adquirida nesta técnica permitiu o estabelecimento de protocolos externos. 

Para além das técnicas já referidas, assegura ainda a logística de receção, processamento e armazenamento dos alo enxertos de painel.

Efetua, prepara, preserva e distribui colírio de soro autólogo em colaboração com o Serviço de Oftalmologia.

Efetua, prepara, preserva e distribui membrana de fibrina/plasma rico em fatores de coagulação antólogo para o serviço de Estomatologia

Esta unidade está certificada pela norma NP EN ISO 9001:2008 e aberta a colaboração e estabelecimento de protocolos com todos os serviços do CHLH e outros Hospitais que venham a necessitar da tecnologia instalada:

  • Centrifugação programada para volumes ate 1000cc.
  • Arcas de azoto líquido a -190ºC
  • Arcas a -80ºC
  • Congelação programável (curvas de congelação otimizadas para diferentes células)
  • Descongelação programada
  • Seletor celular (Seleção/Depleção de acordo com o Anticorpo adequado)  

 

Unidade de Colheita de Dadores de Sangue

Tem como principal função a promoção da dádiva benévola e a colheita de sangue em dadores. 

Realiza a inscrição, triagem e colheita da dádiva em dadores de sangue bem como a inscrição e recolha de sangue para integração na Base Nacional de Dadores de Medula Óssea (CEDACE).

A unidade também colabora com o Biobanco-IMM, uma estrutura criada pelo Instituto de Medicina Molecular (IMM), que acolhe e armazena amostras biológicas, doadas voluntariamente, com o objetivo de impulsionar a investigação biomédica.

A doação de amostras de sangue de controlos é essencial para o sucesso do Biobanco-IMM.

A Unidade é composta por uma equipa multidisciplinar de Médicos Especialistas em Imuno-Hemoterapia, Enfermeiros, Assistentes Técnicos e Assistentes Operacionais treinados nas necessidades que os dadores de sangue precisam.

A Unidade de Colheita de Dadores Benévolos de Sangue do Serviço Imuno-Hemoterapia do CHLN, localizada no Piso 2 do Hospital de Santa Maria funciona todos os dias úteis, entre as 09:00 e as 16:00. 

 

Dar Sangue

O que é dar sangue?  

“Dar sangue é um acto voluntário, responsável e altruísta” OMS

Quando uma pessoa perde muito sangue por acidente, cirurgia, ou por doença, pode ter que receber sangue.
Já que o sangue não pode ser fabricado tem que se obter de outra pessoa, um dador de sangue.

 

O que é o sangue?

É um líquido orgânico que circula pelas artérias e veias (aproximadamente 5L numa pessoa de 65Kg).
Este é formado por várias células e componentes que são fabricados na medula óssea.

  • Glóbulos Vermelhos: São as células mais abundantes do sangue e transportam hemoglobina, responsável pela cor vermelha deste. A hemoglobina transporta oxigénio dos pulmões a todos os órgãos.
  • Glóbulos Brancos: São as células encarregadas da defesa do organismo contra infecções.
  • Plaquetas: São as células do sangue mais pequenas e participam na coagulação e paragem de hemorragias.
  • Plasma: É o líquido onde se encontram suspensas as células do sangue. É formado por água, sais minerais, proteínas e factores de coagulação muito importantes para travar as hemorragias.

 

Os grupos sanguíneos:

Os grupos sanguíneos estão definidos por umas substâncias (Antigénios) que se encontram nos glóbulos vermelhos e são herdados dos pais. Estes Antigénios agrupam-se em sistemas, os mais importantes são os sistemas AB0 e Rh.

No sistema AB0 existem basicamente quatro combinações em função da presença do Antigénio A, B, ambos ou nenhum: Grupo A, grupo B, grupo AB e grupo 0.

No sistema Rh existem basicamente, Rh Positivos quando os glóbulos vermelhos têm Antigénio Rh, e Rh Negativos quando não o possuem.

Nas transfusões o receptor e o dador têm que ter um grupo AB0/Rh compatível.

 

O que é a dádiva?

É um processo simples e rápido que demora só alguns minutos.

Começa com uma inscrição, preenchimento de um questionário e termo de responsabilidade. 

A seguir irá ter uma triagem clínica onde será avaliado o seu estado de saúde, historial médico e hábitos de vida para ter a certeza de que pode dar sangue, e não existe nenhum risco para o dador ou para o receptor da dádiva, pelo que é importante que responda abertamente e com sinceridade. Toda informação solicitada é confidencial. (Lei protecção de dados pessoais, Lei Nº67198 de 26 de Outubro)

A saúde do dador é importante e não irá ser realizada a colheita no caso de existir algum risco, pelo que será avaliada a sua tensão arterial, frequência cardíaca e realizado um teste para determinar o valor de hemoglobina. Se houver alguma anomalia, o dador pode ser suspenso temporária ou definitivamente, dependendo da situação.

A seguir, numa sala destinada para o efeito, e com todas as comodidades possíveis, será realizada a colheita, numa cadeira especial, por um profissional qualificado, com material estéril de utilização única, para proteger sempre o dador e o receptor. A colheita consiste em retirar 450ml de sangue, processo que demora aproximadamente 10 minutos.

De seguida, o dador descansará 10 ou 15 minutos e tomará uma refeição ligeira.

É importante estar bem hidratado e não estar em jejum antes de realizar uma dádiva, e depois, nas primeiras duas horas deverá evitar beber álcool, fumar, realizar esforços intensos ou se expor a temperaturas elevadas, e deverá beber abundantes líquidos. 

 

O que se faz com o meu sangue?

Uma vez realizada a colheita, serão realizadas análises de serologia, um hemograma completo e será determinado o seu grupo sanguíneo.

Depois a colheita será submetida a um processo denominado fraccionamento pelo qual cada dádiva é separada nos seus três principais componentes: Glóbulos Vermelhos, Plaquetas e Plasma.
Estes são submetidos a processos de filtração e inactivação para aumentar a sua segurança. 
Depois do processamento concluído, uma colheita poderá ajudar até três pessoas diferentes.

 

Porquê dar sangue?

A necessidade da dádiva:

O sangue é um líquido que ainda não podemos fabricar, pelo que é preciso dádivas regulares para garantir a sua disponibilidade onde é preciso. 

O sangue salva vidas todos os dias, complicações nos partos, vítimas de acidentes, grandes cirurgias, transplantes, doentes com anemia grave, … e amanhã pode ser que a sua família ou amigos precisem dele. É a melhor prenda que uma pessoa pode dar a outra.

Benefícios para o dador:

A dádiva é um acto de solidariedade e generosidade que pode salvar várias vidas; é um processo rápido e seguro, do qual o dador se recupera em pouco tempo.

Ao dador ainda é avaliado o seu estado de saúde e são realizadas análises cujos resultados lhe serão enviados.

A legislação em vigor (Decreto lei Nº113/2011 de 29 de Novembro) prevê a isenção do pagamento das taxas moderadoras para os Dadores Benévolos de Sangue, nas prestações primárias de saúde (centros de saúde), se tiverem efectuado 30 dádivas na sua vida ou pelo menos duas dádivas no último ano.

 

Quem pode dar sangue?

Pessoas entre 18 e 65 anos com peso superior a 50kg com bom estado de saúde e hábitos de vida saudáveis.

Não deve dar sangue no caso de:

  • Tem Hepatites B ou C, HIV. 
  • Utilizou drogas por via intravenosa.
  • Teve contactos sexuais em troca de dinheiro ou drogas.
  • Tem um comportamento que o coloque em risco de contrair doenças infecciosas.
  • Tem história familiar de doença de Creutzfeldt-Jacob ou variante.
  • Fez transplante de córnea ou dura-máter.
  • Fez tratamento com hormona de crescimento, pituitária ou gonadotrofina de origem humana.
  • Tem epilepsia, diabetes insulino dependente, hipertensão arterial grave, coagulopatias, doenças cardiovasculares graves.

 

Pode ser suspenso temporariamente se:

  • Fez cirurgia ou teve parto nos últimos 6 meses.
  • Fez endoscopias, tatuagens, piercings nos últimos 6 meses.
  • Tem ou teve um novo(a) parceiro(a) sexual nos últimos 6 meses.
  • Estiver a tomar alguns medicamentos.
  • Tem uma infecção recente.
  • Fez recentemente viagens ao estrangeiro. 

Critérios de aceitação para dadores do DR 1º série-Nº141-24 Julho de 2007

 

Onde e quando?

 Para dar sangue dirija-se ao Instituto Português do Sangue de Lisboa, Porto ou Coimbra, ou ao Hospital mais próximo com serviço de colheitas.

No CHLN dispomos de centro de colheitas para dadores de sangue, no Hospital Santa Maria, piso 2 junto da entrada principal. O horário de atendimento é de 8h a 16h de segunda a sexta-feira. Será sempre bem-vindo.

Para mais informação ou esclarecer duvidas ligue ao telefone 967 048 956 ou no Facebook.

 

Doar Medula

O que é a medula?

A medula óssea é um tecido esponjoso que preenche o interior de vários ossos, é indispensável para a vida pois lá se fabricam as células sanguíneas e muitos elementos do sistema imunitário. Nela existem células progenitoras, células com capacidade para se diferenciarem e dar origem a qualquer célula do sangue periférico, as células progenitoras/estaminais (stem cells). 

Muitas doenças são o resultado de uma produção insuficiente, excessiva ou anómala de células sanguíneas por parte de medula óssea. Para muitos destes doentes o transplante de medula á a única esperança de vida.

 

O que é um transplante de medula?

Em Portugal são diagnosticados mais de 1.000 novos casos de leucemia por ano. Muitos destes doentes têm a possibilidade de salvar a vida por meio de um transplante de medula.

Ao contrário do que habitualmente se pensa, o transplante de medula óssea é um processo que não precisa de cirurgia, consiste numa infusão, semelhante a uma transfusão de sangue, de células progenitoras de sangue periférico extraídas por punção óssea ou do sangue periférico.

Os transplantes podem ser: 

  • Autólogo, quando são usadas células do próprio, dador e receptor são o mesmo.
  • Alogénico, são utilizadas células de familiares próximos, geralmente irmã ou irmão. Quando não existem, ou não são compatíveis, é necessário procurar um dador. 

Apenas 25% dos doentes tem um dador familiar compatível, daí a necessidade de existir um banco de dadores.

Os transplantes têm riscos, podem surgir complicações, mas para alguns doentes é a única possibilidade de obterem uma remissão da doença.

 

O que é dar medula?

A obtenção de células progenitoras pode ser feita por meio de um punção óssea, doação de medula, ou por meio de uma técnica de aférese, doação de células progenitoras de sangue periférico.

A doação de medula é realizada mediante a extracção com uma seringa de uma pequena quantidade de sangue da medula óssea, esta punção é realizada sobre efeito de anestesia geral ou epidural em bloco operatório.

A doação de células progenitoras de células do sangue periférico (stem cells) é realizada por uma técnica de Aférese, que consiste uma colheita selectiva das células progenitoras por meio de um separador celular, sendo em simultâneo devolvido ao indivíduo os elementos não necessários. Não é necessária anestesia e pode durar cerca de 3-4 horas, em que a pessoa fica deitada, podendo dormir, ver televisão, … 

O procedimento poderá ter que ser efectuado mais do que uma vez para obter o numero de células necessárias. 

Todo o procedimento é supervisionando por uma equipa atenta e treinada.

Depois a colheita é processada para ser administrada a fresco ou é criopreservada para o futuro transplante.

 

Como posso ser dador?

Se é uma pessoa saudável, tem entre 18 e 45 anos, tem um peso mínimo de 50 kg, não recebeu uma transfusão de sangue desde 1980 e pretende ser dador de medula deverá preencher o formulário disponível nos locais de recolha móvel ou nos locais de recolha permanente entre os quais se incluem o nosso serviço, os 3 Centros do IPST e os 3 Centros de Histocompatibilidade, se fizer entrega do formulário em um destes locais, é-lhe retirada uma pequena amostra de sangue que posteriormente é analisada. 

Se não poder deslocar-se a um dos locais de recolha, pode enviar o questionário devidamente preenchido por correio para o CEDACE - Centro de Histocompatibilidade do Sul. Neste caso, será posteriormente contactado pelo CEDACE para combinar o local e a data da recolha da amostra de sangue.

Feita a recolha de sangue, passa automaticamente a integrar a Base Nacional de Dadores de Medula Óssea (CEDACE) e a Base Mundial: BMDW,  Bone Marrow Donors Worldwide.

Em qualquer momento poderá ser contactado pelo CEDACE para testes adicionais, caso seja compatível com algum doente que necessite de transplante, em Portugal ou no estrangeiro.

Encontrar um dador compatível é uma tarefa muito difícil, visto sermos geneticamente muito diferentes.

 

Para mais informação e descarregar o questionário visite:

Associação Portuguesa Contra a Leucemia www.apcl.pt

Centro de Histocompatibilidade do Sul www.chsul.pt

Centro de Histocompatibilidade do Centro www.histocentro.min-saude.pt

Centro de Histocompatibilidade do Norte http://www.chnorte.min-saude.pt

 

Links de Interesse

American Association of Blood Banks
www.aabb.org

America’s Blood Centers
www.americasblood.org

American Society of Gene Therapy
www.asgt.org

Associação Portuguesa Contra a Leucemia
www.apcl.pt

Associação Portuguesa de Imuno-Hemoterapia
www.apih.org.pt

Associação Portuguesa de Hematologia
http://www.sph.org.pt/

Associação Portuguesa de Hemofilia e de Outras Coagulopatias Congénitas
www.aphemofilicos.pt/

European Blood Alliance (EBA) 
http://europeanbloodalliance.eu

European Medicines Agency
www.ema.europa.eu

European Society of Gene Therapy
www.esgct.eu

European Society for Haemapheresis and Haemotherapy
www.esfh.de

Federal Drug Administration
www.fda.gov

Instituto Português do Sangue
www.ipsangue.org

International Society of Blood Transfusion (ISBT)
www.isbt-web.org

International Society on Thrombosis and Haemostasis (ISTH)
www.med.unc.edu

Sociedad Espanõla de Transfusión Sanguínea
www.sets.es

Network for Advancement of Transfusion Alternatives
www.nataonline.com

World Apheresis Association
www.worldapheresis.org

Word Federation of Hemophilia
www.wfh.org